03/02/2014

Ouvi o seguinte de um monge budista:

Se você não pode ser budista em tempo integral, adote meio expediente.

– Podemos nos tornar mais compreensivos, podemos desenvolver solidariedade genuína e força de vontade para ajudar a curar as dores do mundo, nossas e dos outros. Como resultado, nossa própria serenidade irá aumentar....

– Quando um problema surgir, tente permanecer calmo, mantenha um comportamento íntegro e se esforce para que o desdobramento seja justo. É claro que outros tentarão tirar proveito de você; adote uma postura forte, mas faça isso sem raiva. Portanto, como as medidas que você utilizou foram escolhidas calmamente, serão mais eficazes, mais precisas e mais potentes.

– A retaliação baseada na energia cega raramente acerta o alvo; até os lutadores profissionais sabem disso.

– Ter muitos amigos é muito bom. Na sociedade de consumo de hoje é importante saber quem é seu amigo de verdade, e os distinguir daqueles que são amigos do dinheiro e do poder que você tem. Quando você perder esses trunfos, verá que muitos de seus amigos desaparecerão. A verdadeira amizade é conquistada nos momentos de altruísmo, de dedicação, de solidariedade. Quem conquista amigos em momentos de ira, contendas, ciúmes?

– Se nós pudermos praticar boas ações, tal como salvar a vida de animais, podemos acumular as condições necessárias para ganhar um belo renascimento. E se você não acredita nisso, o que lhe custa?

– Se você está nervoso com alguém, não faça nada. Se perceber que vai dar uma gargalhada sem sentido, não faça nada. Se notar que vai falar alguma coisa imprópria, não faça nada. Torne-se habilidoso na prática de não criar constrangimentos para si e para outros.

– Afaste o pensamento de que sempre deve haver um culpado por tudo. Considere a vida, do acordar até o dormir, como uma feira de ilusões. Veja-se como um mago, um criador de ilusões.

– Agimos como alguém que tomou a decisão de se fixar em um lugar eternamente. Achamos que não morreremos nunca. Se aceitarmos que estamos aqui só por um pequeno espaço de tempo, teremos menos apego às coisas, à fama, às posses etc.

– E, por fim, cada um de nós deveria assumir sua própria cota de responsabilidade universal, não depender de governos, ideologias ou qualquer coisa do tipo. Lutar pela livre expressão, enfim, pela democracia, é a exigência que se impõe a todos nós.




Nenhum comentário:

Postar um comentário