04/02/2015

Em dois anos, empresa de arquiteta indiciada por desacato assinou contratos de R$ 500 mil.

Um levantamento feito mostra que, nos últimos dois anos, a Obra Prima Engenharia e Arquitetura - empresa da qual Ana Maria Lucas de Souza é dona - assinou contratos de R$ 582.731 mil com órgãos estaduais do Rio. A arquiteta foi indiciada pelo crime de desacato, na última sexta-afeira, depois de ter sido abordada por policiais militares do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes). O procedimento está no 9º Juizado Especial Criminal (Jecrim) e uma audiência com as partes deverá ser marcada nos próximos dias.
Num vídeo gravado por um dos soldados, Ana Maria tenta pegar a câmera da mão do PM e o adverte: "Eu sou arquiteta, eu estou fazendo obra em várias UPPs, você quer saber?" O levantamento feito pelo EXTRA mostra que o mais caro dos contratos foi feito com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Pelo valor de R$ 395.104, a Obra deveria adequar salas para implantação de aparelhos de raios-X.
Em outro contrato, o Ministério Público estadual pagou R$ 70.022 a empresa de Ana Maria para a reforma de um conjunto de salas em uma das sedes do órgão, na Rua Nilo Peçanha, no Centro do Rio.

Ana Maria Lucas de Souza será processada por policial
De acordo com o delegado, foram ouvidos Ana Maria e os PMs. Na versão deles, a viatura em que estavam percorreu dois quilômetros até emparelhar com o Hyundai ix35 branco em que ela estava. Por volta de 17h15m da última sexta-feira, o veículo foi parado na Rua Desembargador Oscar Tenório, no Recreio.
No vídeo gravado por um dos soldados, a arquiteta pergunta "O que vocês querem comigo?" e ainda reclama: "Vocês têm que ir atrás de bandidos, não de mim."
Em seu depoimento, entretanto, a loura afirma que em "nenhum momento teve a intenção de desacatar os policiais". A pena para desacato varia de seis meses a dois anos de prisão. Como o crime é de menor potencial 
ofensivo, é provável que, se condenada, a arquiteta cumpra uma pena alternativa.
Ontem, o PM que fez as imagens informou que irá processar Ana Maria por constrangimento. Ele disse ter tomado a decisão depois de conversar com um advogado sobre o caso. Procurada pelo para comentar o caso, Ana Maria não foi localizada em sua casa nem retornou as ligações feitas para o seu celular.
Será que se deve saber o nome desse Comandante amigo que pode prejudicar policiais que estão trabalhando honestamente, pois ela fala abertamente "Vou falar com o Comandante". Talvez ela esteja envolvida com  tráfico de influência. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário